Leia a íntegra desta notícia no site da Caza, administradora de condomínios localizada em Bento Gonçalves/RS, com departamento jurídico próprio e equipe qualificada para auxiliar o síndico e os condôminos no dia a dia do condomínio.

Manutenção de piscinas

16/01/2019

A piscina é um dos itens mais queridos das áreas comuns do condomínio. Um lugar para realmente relaxar e deixar a correria do dia-a-dia de lado.

Mas para que isso aconteça, é fundamental que o local esteja sempre com a manutenção em dia. A tabela abaixo foi elaborada para facilitar o trabalho do zelador, para que saiba quando executar diversas ações diferentes, e para o síndico também. Dessa forma, fica mais fácil acompanhar o trabalho do zelador.

Filtragem da piscina
- Todo dia.
- Duração: de 4 a 8 horas, de acordo com instruções do fabricante do filtro.
- Nos dias em que forem realizadas ações de tratamento (cloração, controle do pH etc.), a filtragem deve ser feita em seguida (e não antes), para otimizar a limpeza.

Controle do cloro
- A cada 2 dias.
- Aplicar à noite, para evitar a evaporação do cloro pelo sol.
- Em piscinas de vinil ou fibra, diluir o cloro antes em um balde com água da piscina. Filtrar depois.
- Na manhã seguinte à cloração, sempre verificar a proporção de cloro livre (através de kits de medição disponíveis no mercado). Ela deve estar entre 1 e 3 ppm (partes por milhão). Acima e abaixo destes níveis, o uso da piscina deve ser suspenso.
- O cloro livre é o que ainda não reagiu com substâncias presentes na água e está disponível para combater substâncias que venham a aparecer. Portanto, ele é importante para criar uma barreira contra microorganismos que podem transmitir doenças. Mas em quantidades excessivas pode causar irritações nas mucosas dos banhista.
- Existem linhas de produtos para tratamento sem cloro.

Controle do pH
- 2 vezes por semana.
- O pH da água deve ficar entre 7 e 7,4.
- Existem produtos para medir o pH, geralmente na forma de fita de teste ou kit colorimétrico.
- Para corrigir o pH, há os chamados Redutores (ou Sulfato de Alumínio) e os Elevadores de pH (ou Barrilha Leve). Após a operação, realizar filtragem.
- Repetir o processo se não funcionar.
- O pH fora do padrão (para cima ou para baixo) causa irritações nos olhos e pele dos banhistas, danifica o equipamento de filtragem e tira a eficiência do cloro.
- O controle do pH deve ser feito antes de qualquer tratamento químico, exceto nos dias em que forem adicionados à agua produtos com hipoclorito de sódio, dicloros e tricloros.

Aspiração da piscina
- 1 vez por semana.
- Usar a opção "filtrar" quando houver pouca sujeira; para limpeza mais potente, selecione "drenar".
- Não usar o cabo diretamente, sem algum acessório na ponta, para evitar danos no revestimento do fundo da piscina.

Limpeza das bordas
- 1 vez por semana.
- Usar escovas de cerdas macias ou a parte macia de esponjas de cozinha.
- Não usar palha de aço ou esponjas ásperas.
- Usar produtos de limpeza que específicos para piscina ("limpa-bordas"), pois outros contaminam a água.
- Nunca varrer a sujeira do chão próximo da piscina para dentro da água.

Retrolavagem do filtro
- 1 vez por semana.
- Dura 5 minutos. Necessária para manter as boas qualidades do equipamento, livrando-o de resíduos filtrados. A água vai para o esgoto.
- Após retrolavar, o processo de enxágüe deve ser feito durante 1 minuto para evitar que a água suja volte para a piscina.

Algicida
- 1 vez por semana.
- É usado para eliminar algas. Não usar no mesmo dia da cloração.

Controle da alcalinidade
- 1 vez por semana.
- Medir com fita de teste ou kit colorimétrico.
- Deve ficar entre 80 e 120 ppm (partes por milhão).
- Para corrigir, usar "elevador de alcalinidade" e "redutor de pH".
- O controle da alcalinidade é importante para manter o nível do pH estável.
- Alcalinidade fora dos padrões danifica o equipamento. Além disso, índices altos causam turbidez na água.

Supercloração
- 1 vez por mês ou quando necessário.
- Necessária em períodos de muito uso da piscina, como no verão.
- Também é interessante fazer após períodos de muita chuva, por causa do acréscimo de água não tratada, e de todas as impurezas que ela traz.
- A piscina só deve voltar a ser usada quando o cloro livre voltar para os padrões usuais (1 a 3 ppm).

Clarificação
- Quando necessário.
- Realizar a operação após controle da alcalinidade e do pH.
- Quando a água continua turva, deve-se fazer a clarificação. Durante a filtragem, adicione Clarificador (também é usado Cal Hidratado), que se combinará com as impurezas e se depositará no fundo da piscina.
- Em casos mais críticos, será necessário aspirar o fundo. Se não houver muita sujeira acumulada, a própria filtragem elimina as impurezas depositadas pelo tratamento químico.

Cuidados necessários
- Ao lidar com produtos químicos, sempre usar luvas e óculos de proteção.
- Armazenar os produtos em local arejado e longe de crianças e animais domésticos.
- Sempre respeite as dosagens recomendadas pelos fabricantes.
- Muito cuidado com embalagens com vazamento. Retirar imediatamente do local. Não reaproveitar material que escapou da embalagem.
- Alguns produtos químicos não devem ser misturados. Observe o tópico abaixo.

Mistura perigosa
- Observe atentamente os ingredientes ativos do cloro usado, e das outras substâncias do tratamento químico da piscina.
- Apesar da semelhança aos olhos, cloro com ingredientes ativos dicloro ou tricloro não pode ser misturados ao cloro que tem hipoclorito de sódio ou cálcio - em hipótese nenhuma. Quando entram em contato, estas substâncias provocam explosão, e liberam gases tóxicos que podem provocar queimaduras. Cuidado tanto na piscina quanto na armazenagem.
- Do mesmo modo, o hipoclorito de cálcio não deve ser adicionado na piscina no mesmo dia que o redutor de pH, algicidas e estabilizadores.
- Redutor de pH e algicida também não devem ser misturados com produtos que contêm dicloro e tricloro.

Bronzeador/ filtro solar
- Afixar cartaz para os banhistas retirarem o excesso destes produtos antes de entrar na água.
- Algumas marcas de filtro solar não saem na água; estas não têm problema para a piscina.
- O bronzeador ou filtro solar presentes na água dificultam o tratamento químico.
- Podem provocar incrustrações e corrosões no equipamento de filtragem.
- Também podem provocar irritações alérgicas nos banhistas.

Cobertura para piscina
- É interessante providenciar uma cobertura de lona ou outro material, para quando a piscina estiver fora de uso. Isso diminui drasticamente a perda de água por evaporação.
- Como estas coberturas são presas à borda por pinos e cordas, também evitam a queda de crianças na água.
- Não permitir acúmulo de água e sujeira em lonas de cobertura. Evitar também jogar este material na própria piscina.

Nunca abandonar a piscina
- É muito perigoso deixar a piscina sem tratamento por mais de um mês. A água torna-se um foco de doenças inclusive para quem não entrar nela: a dengue, por exemplo, é transmitida por um mosquito que se reproduz em águas paradas. O equipamento de filtragem pode sofrer avarias, quanto mais tempo ficar inativo.
- Mesmo em períodos de pouco uso, e inclusive quando a piscina tem cobertura de proteção, é preciso tratar a água e realizar filtragem. Nesses períodos, o que se pode fazer é diminuir a freqüência.
- Nunca esvazie a piscina. Isso pode até comprometer sua estrutura. Se for absolutamente necessário realizar a operação, consulte o fabricante para fazê-lo de modo seguro.

Fonte: Sindiconet